O 1º mundo também tem inflação

Data: 10/02/2022 - 12:10  Para: Jornal Dia Dia - Portal de Notícias
Por: Cangerana Comunicação Estratégica    Bloquear Agência/Empresa
Remetente: Alessandra Taraborelli alessandra@cangerana.com.br Celular: (11) 99631-1606
Minhas Editorias: Cidades Alterar Minhas Editorias
Editorias deste Release: Economia

A Cangerana Comunicação Estratégica foi notificada que este conteúdo não possui relação com nenhuma das editorias informadas.
Ao denunciar 2 vezes no mês a Cangerana Comunicação Estratégica será bloqueada para você não receber mais conteúdos.

Você fez 2 denúncias neste mês, portanto, a Cangerana Comunicação Estratégica foi bloqueada definitivamente.
Você bloqueou a agência Cangerana Comunicação Estratégica para não receber mais conteúdos. Você bloqueou o cliente Fipecafi da agência Cangerana Comunicação Estratégica para não receber mais conteúdos.

Boa tarde, tudo bem?
Segue repercussão sobre o resultado do CPI dos Estados Unidos, feita por Fernando Dal-Ri Murcia, professor e diretor de Pesquisas da Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (FIPECAFI), professor do Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais da Universidade de São Paulo - FEA/USP.

O 1º mundo também tem inflação

EUA registra maior CPI desde 1982

O índice de preços ao consumidor dos EUA (conhecido como CPI) subiu 0,6% em janeiro. Na comparação anual, o índice alcançou 7,5%, superando a expectativa do mercado de inflação de 7,2% no período, e anotando a maior leitura desde fevereiro de 1982.

A inflação de janeiro dos Estados Unidos afeta as apostas para a alta de juros no paíse a redução dos estímulos do Federal Reserve (Fed, Bc norte-americano). O dado acima do esperado reforça a preocupação de um aumento de juros mais brusco, o que poderia penalizar a entrada de recursos para os mercados emergentes, como o Brasil, além de atrair investidores que estão preocupados com o ritmo de crescimento da economia brasileira e com as instabilidades que o ano eleitoral pode trazer para os ativos domésticos.

Com o aumento das taxas de juros, os títulos norte-americanos se tornam mais atrativos em comparação aos títulos de outros países. Ao mesmo tempo representam um “porto seguro” no momento em que o mercado possui diversas incertezas sobre o mundo “pós-covid”.

Esse mesmo movimento – de migração de recursos para os Estados Unidos em busca de retornos mais atrativos – também tenderia a apreciar o dólar frente outras moedas, como o real brasileiro.

“A alta do juro norte-americano vem em um momento delicado para o Brasil, já que poderá dragar recursos que eventualmente seriam alocados para países emergentes. Adicionalmente, se essa alta for muito abruta ela poderia trazer uma cenário de aversão a risco mundial o que prejudicaria igualmente os investimentos estrangeiros no Brasil”, afirma Fernando Dal-Ri Murcia, professor e diretor de Pesquisas da Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (FIPECAFI), professor do Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais da Universidade de São Paulo - FEA/USP.

Responder para: Alessandra Taraborelli alessandra@cangerana.com.br

Enviando, aguarde

Sua resposta foi enviada com sucesso!

Erro ao enviar resposta, tente novamente

Enviado Por: Cangerana Comunicação Estratégica    Bloquear Agência/Empresa
Minhas Editorias: Cidades Alterar Minhas Editorias

A Cangerana Comunicação Estratégica foi notificada que este conteúdo não possui relação com nenhuma das editorias informadas.
Ao denunciar 2 vezes no mês a Cangerana Comunicação Estratégica será bloqueada para você não receber mais conteúdos.

Você fez 2 denúncias neste mês, portanto, a Cangerana Comunicação Estratégica foi bloqueada definitivamente.
Você bloqueou a agência Cangerana Comunicação Estratégica para não receber mais conteúdos. Você bloqueou o cliente Fipecafi da agência Cangerana Comunicação Estratégica para não receber mais conteúdos.

Bloqueio realizado com sucesso.