Dia da Mulher: confira 9 histórias que mostram a força delas no mundo dos negócios

Data: 03/03/2022 - 16:51  Para: Jornal Dia Dia - Portal de Notícias
Por: Passo Avanti    Bloquear Agência/Empresa
Remetente: Milka Verissimo milka@passoavanti.com.br Celular: (11) 95761-2703
Minhas Editorias: Cidades Alterar Minhas Editorias
Editorias deste Release: Cidades

A Passo Avanti foi notificada que este conteúdo não possui relação com nenhuma das editorias informadas.
Ao denunciar 2 vezes no mês a Passo Avanti será bloqueada para você não receber mais conteúdos.

Você fez 2 denúncias neste mês, portanto, a Passo Avanti foi bloqueada definitivamente.
Você bloqueou a agência Passo Avanti para não receber mais conteúdos. Você bloqueou o cliente Clube de Permuta da agência Passo Avanti para não receber mais conteúdos.

Oi, , como estão as coisas por ai?

Me Chamo MIlka e estou com uma pauta aqui que acredito que possa interessar. Trata-se de uma sugestão sobre 9 mulheres que investiram no mercado de franquias. Você acha que vale uma publicação ou uma conversa com essas mulheres?

Dia da Mulher: confira 9 histórias que mostram a força delas no mundo dos negócios

Ir atrás dos seus sonhos, apoiar os filhos ou vencer seus próprios desafios. Qualquer que seja o motivo, não faltam exemplos de mulheres que superam os limites e alcançam o sucesso como empreendedoras. Nesse Dia da Mulher, veja a seguir algumas trajetórias que mostram todo o poder de realização da mulher no mundo dos negócios.

Ângela Rodrigues, 52 anos, franqueada da Sal e Brasa em Lauro de Freitas (BA)

Imagine a sensação de finalmente realizar o sonho de abrir o próprio negócio e, na mesma semana, ter de fechar as portas por tempo indeterminado enquanto todas as contas da empresa chegam e se acumulam. Pois foi justamente essa a situação vivenciada por Ângela Rodrigues em março de 2020. Apenas quatro dias depois de inaugurar sua unidade da Sal e Brasa Grill Express, rede de franquias especializada em grelhados com foco no fast food, no município de Lauro de Freitas, na Bahia, tiveram início as restrições sanitárias para conter o coronavírus. “No início, não tínhamos ideia do que estava acontecendo. Imaginamos que duraria apenas uma semana. Mas os meses foram passando e as contas não paravam de chegar”, revela.

Desistir, porém, não estava nos planos de Ângela. Como muitas mulheres, anos antes a empresária teve de dar um passo atrás na carreira e buscar um emprego mais flexível para cuidar do filho pequeno e da saúde da mãe. Após ver o pequeno se adaptar à escola e a mãe se recuperar, a empresária enfim pode se voltar para a vida profissional e concretizar o antigo sonho de empreender. 

Graças a negociações com funcionários e fornecedores, a unidade conseguiu se manter de pé até o fim do lockdown, em agosto de 2020. Com as portas abertas, todos os esforços foram no sentido de honrar os compromissos estabelecidos durante o período de fechamento. E para engajar todos nessa missão, Ângela foi para a linha de frente, ajudando nas mais variadas funções, desde servir o cliente até realizar compras e operar o caixa. Desse modo, o restaurante sobreviveu aos piores momentos da pandemia e hoje fatura R$200 mil mensais.

“Eu sempre digo que o treinamento ensina, mas o exemplo arrasta. Tive de trabalhar três vezes mais, mas valeu a pena, pois hoje estamos com o passivo controlado e vendo a empresa crescer. Para mim, o maior aprendizado foi não desistir. Sempre vale a pena lutar e buscar outras formas para viabilizar seu sonho”, encerra.

Mariana Fernandes, 39 anos, franqueada da Mineiro Delivery no Rio de Janeiro

Ter o próprio negócio sempre foi o grande sonho de Mariana Fernandes. Para realizá-lo, ela tentou emplacar diferentes ideias em todos os tipos de segmento, mas nunca encontrava o que realmente queria. Enquanto não acertava no empreendimento, Mariana foi fazendo cursos profissionalizantes e trabalhando em diversas áreas. Até que, em 2018, encontrou o Mineiro Delivery e, ao lado do pai, se identificou com a franquia

“O ano de 2018 foi muito especial. Estava grávida, prestes a realizar o sonho infância de abrir meu próprio negócio e o meu pai, meu porto seguro, iria abrir a empresa comigo” conta a empresária.

Contudo, seu pai, que chegou a assinar o contrato da franquia com ela, faleceu antes da abertura definitiva do seu negócio, e Mariana se separou do marido após seu filho nascer.

“Foi uma fase extremamente difícil para mim; Eu me senti perdida, e tive que adiar um pouco a abertura da minha franquia mesmo ela já estando paga. Hoje, eu vejo que está sendo uma experiência única e que me dá muita força. Por isso, eu aproveito para dar uma dica a todas as mulheres que têm esse mesmo sonho: tenha metas e siga elas até chegar no seu objetivo. Porque as adversidades são muitas, mas o resultado faz tudo valer a pena”, finaliza a empresária.

Cristiane Cruz, 43 anos, franqueada da iNexxus em São Paulo

A pandemia foi uma chave para Cristiane Cruz mudar de vida. Isso porque, quando a Covid-19 chegou ao Brasil e as medidas sanitárias entraram em vigor, a empresária estava passando por um divórcio e recém desempregada. A partir daí, decidiu pesquisar novas formas de trabalho no ambiente online.

“Pela fase em que estava passando eu queria e precisava de uma nova ocupação. Iniciei uma segunda graduação e conheci o marketing digital. Tive bastante dificuldade no começo por conta do preço das plataformas, mas eu gostava muito do que estava fazendo. Isso me deu forças para continuar a pesquisar, até que eu encontrei o modelo de franquias”, diz Cristiane Cruz.

Após ter contato com algumas empresas que não sentia confiança em investir, ela conheceu a iNexxus e gostou do seu modelo de negócio “É uma empresa que me ensinou muitas coisas, principalmente por ter um suporte por parte de pessoas muito experientes. Além disso, o fato de as plataformas estarem inclusas no investimento representou um alívio, e senti que havia me encontrado na profissão”, destaca a franqueada.

Hoje, a especialista em marketing digital empodera as mulheres a seguirem seus objetivos independentemente das adversidades, porque todas têm uma força interna inacreditável, “Não deixe que ninguém fale para ti o que você deve ou não fazer e nem te colocar para baixo. Busque empresas nas quais você sinta confiança. E sou a prova viva de que as fases ruins passam”, encerra.

Beatriz Borges, 24 anos, franqueada da Nação Verde em Altamira (PA)

Para algumas pessoas, o caminho do sucesso nasce das dificuldades enfrentadas. No caso de Beatriz Borges, foram os distúrbios alimentares com que teve de lidar na adolescência que a fizeram se apaixonar por temas como exercícios físicos e alimentação  saudável. “Eu ficava culpada por comer algo e acabava descontando tudo em exercícios. Então resolvi procurar a ajuda de nutricionistas e comecei a me interessar por dietas e treinos”, revela.

Após se mudar de Altamira, no interior do Pará, para São Paulo para cursar a faculdade de Nutrição, a jovem passou a ver a dificuldade que os pacientes tinham para adquirir os alimentos e suplementos que receitava. “Como eles reclamavam dos valores exorbitantes cobrados por alguns locais, fui me informar sobre lojas de produtos a granel, que permitem pegar quantidades menores a preços acessíveis. Minha ideia era fazer uma parceria com alguma delas, mas encontrei muitas dificuldades. Então decidi investir em minha própria unidade”, explica.

Uma vez tomada a decisão, a jovem passou a pesquisar o melhor local para empreender. Contudo, ela se deparou com um mercado já bastante saturado em São Paulo, e resolveu voltar seus olhos para a cidade natal, onde quase não havia opções de produtos naturais à disposição dos consumidores. “Percebi que meu nome ainda era muito forte em Altamira, pois metade das pessoas que atendia era daqui. Isso me motivou a retornar e abrir uma franquia da Nação Verde em julho do ano passado. Hoje, mantenho meu consultório junto da unidade e ofereço vantagens para que os pacientes adquiram os produtos prescritos comigo”, encerra Beatriz, que já faturou mais de R$200 mil nos primeiros sete meses de operação.

 

Gislene Del Giudice, 40 anos, empresária e proprietária de quatro unidades da Tintas MC em São Paulo e Minas Gerais

A história de Gislene como empreendedora começou com uma pequena loja de tintas em sua cidade natal, Espírito Santo do Pinhal (SP). Formada em administração  e sempre com uma visão empresarial acelerada, ela via muitos obstáculos para colocar suas ideias em prática nos lugares em que trabalhou, e decidiu investir no próprio negócio junto com o marido, Benedito.

“Eu não tinha voz ativa. Tentei implantar controle de estoque em uma loja de roupas onde trabalhava, mas nem os próprios donos utilizavam. Como meu marido já trabalhava há bastante tempo no ramo de tintas, optamos por abrir uma loja em nossa cidade, pois minha cabeça borbulha de ideias, e eu não conseguia colocá-las em prática como subordinada”, revela.

Após começar com um pequeno catálogo de cores e algumas latas de selador, massa corrida e massa acrílica, o casal viu o negócio prosperar e abriu novas lojas em Mogi Guaçu (SP) e Jacutinga (MG). Porém, passados 10 anos, Gislene sentia falta de ter melhores condições de negociação junto aos fornecedores, e resolveu converter suas unidades para a Tintas MC, além de adquirir uma quarta loja da rede, sua segunda em Espírito Santo do Pinhal.

Hoje, a empresária é responsável por administrar e cuidar da parte financeira de todas as franquias, além de analisar os relatórios e alinhar o trabalho com os setores de compras e vendas, que são tocados por seu marido em conjunto com um sócio. “Já conhecíamos através do mercado a seriedade e comprometimento da rede. O setor mudou muito em uma velocidade avassaladora, mas graças à Tintas MC hoje conseguimos uma margem mais sadia e competitiva. Se não tivéssemos nos aliado à marca, acredito que não conseguiríamos condições tão vantajosas quanto temos atualmente”, encerra Gislene.

 

Sueli Greenhalg, 68 anos, franqueada da Euro Colchões no Rio de Janeiro

Desde criança, Sueli Greenhalgh já dava sinais de seu talento para a área comercial. Enquanto as amigas brincavam de boneca, sua maior diversão era fingir revender produtos cosméticos. Com o tempo, o que era apenas diversão virou coisa séria, e Sueli se tornou representante comercial de marcas importantes no segmento de roupas de cama. Entre um negócio e outro, desenvolveu uma importante relação com a Euro Colchões, conhecendo de perto a marca por cinco anos e vendo a seriedade com que a rede é administrada. Por isso, quando seu filho Daniel Greenhalg cresceu e manifestou o desejo de ter o próprio negócio, ela não teve dúvidas em adquirir uma franquia da marca.

“Quando se trata dos nossos filhos, não desejamos algo mais ou menos. Queremos o perfeito. Por conhecer de perto a alma dos donos, sabia que a Euro era a melhor escolha. Eu não queria uma franquia para ter apenas durante um tempo, queria algo que proporcionasse o crescimento meu e do meu filho como empreendedores”, revela.

Passados 11 anos da aquisição da primeira unidade, hoje o filho Daniel administra uma loja da Euro no Shopping Tijuca, no Rio de Janeiro, enquanto Sueli cuida de uma segunda no Shopping Boulevard. E já existem planos para adquirir um terceiro ponto de vendas. “No começo eu estava presente todos os dias e orientava de perto o meu filho, mas hoje é ele quem me ensina sobre produtos, atendimento e a parte funcional, pois o Daniel transita muito bem entre todos os setores da empresa, desde a fábrica até o depósito. Agora, nosso maior desejo é encontrar um bom ponto para ter uma loja de rua da Euro no Rio de Janeiro”, encerra.

 

Andrezza Messano, 27 anos, franqueada da Super Aprendiz em São Paulo

Desde cedo, Andrezza Messano teve que aprender a lidar com os desafios da vida. Após a perda do pai, ainda na adolescência, ela e seus dois irmãos, Amanda e Randal Messano, precisaram trabalhar para ajudar a mãe nas despesas de casa. A experiência profissional precoce fez com que todos estivessem em bons empregos e conseguissem diplomas em diferentes áreas antes dos 30. Andrezza, por exemplo, fez pós em psicologia organizacional, mas aos poucos começou a se interessar em empreender com os irmãos. Por oferecer uma estrutura consolidada, o franchising chamou sua atenção. Assim, em 2019, o trio inaugurou uma unidade da Super Estágios na Avenida Paulista. Após se aproximar do grupo detentor da marca e ver o sucesso, os três inauguraram em outubro de 2021 uma unidade da Super Aprendiz, rede de cursos profissionalizantes.

"A vida é regada de desafios, mas nós temos que buscar sempre enxergar as nossas forças para desenvolvê-las ainda mais. No meu caso, sempre fui muito unida com os meus irmãos. Como cada um de nós se especializou em uma área diferente, entendemos que poderíamos utilizar essa vantagem em favor do nosso negócio. Unidos, seríamos imbatíveis", comenta Andrezza.

A ideia de Andrezza e dos seus irmãos é, por meio das franquias, gerar oportunidades a outros jovens. Com um ambiente descolado - contando com puffs, fliperamas, tablets e um sistema de aula online -  a Super Aprendiz trabalha com cursos que vão desde marketing digital até cuidador de idoso. O investimento inicial para se adquirir uma unidade é a partir de R$40 mil, com prazo médio de retorno de 12 meses e faturamento médio de R$180 mil.

Mayra Rodi, 37 anos, franqueada do Clube de Permuta em Minas Gerais

Mayra Rodi teve que lidar muito cedo com os negócios da sua família. Aos 16, após um problema familiar, assumiu uma empresa de incorporação imobiliária e outra de pecuária em corte. Enfrentou muitos desafios, estudou, concluiu a faculdade de Direito e, hoje em dia, divide seu tempo em múltiplas funções: Mayra é ao mesmo tempo advogada, franqueada do Clube de Permuta e administradora das empresas da família.

“Quando eu decidi abrir a franquia do Clube de Permuta foi uma junção de coisas: o modelo de negócio inovador, a credibilidade e confiança da marca, o modelo de franquia que funciona como se fosse um manual de instruções, e por último, mas não menos importante, o relacionamento imensurável com outros empresários”, afirma.

Sobre lados positivos e negativos de ser empreendedora desde tão nova, Mayra destaca como vantagem o fato de ser dona de si e ter maior flexibilidade de horário. “Já nos lado negativo”, pondera, “como eu entrei muito cedo, enfrentei barreiras culturais como o machismo. Então tive de aprender a me impor no mercado.”

Com tudo que ela aprendeu, a empresária incentiva mulheres que têm vontade de abrir seu próprio negócio, mas estão com receio. "Nunca desista dos seus sonhos por conta da opinião de outras pessoas. Busque sempre aperfeiçoar tudo aquilo que você sabe e precisa para a empresa que quer abrir. Pegue a dificuldade que está enfrentando e transforme em uma mola propulsora para o seu sucesso. No fim das contas, a única coisa que pode te parar é você mesma”, completa a empresária.

 

Carla Araujo, sócia-fundadora da rede Consultare em Campinas (SP)

Carla Tatiana Araújo é médica especialista em ginecologista, obstetrícia e ultrassonografia, mas após anos na profissão, decidiu alçar voos mais altos. Seu objetivo era continuar na área da saúde, mas em outro papel, como empreendedora. Decidida a dar vida a esse sonho, ela e o marido, Marcelo Araujo, criaram em 2016, em Campinas (SP), a Consultare, rede de centros médicos acessíveis que utiliza a mais alta tecnologia para oferecer serviços em mais de 30 especialidades e mais de 3 mil opções de exames. Desde a sua fundação, a marca já atendeu mais de 200 mil pessoas.

"Saúde de qualidade é uma necessidade primordial para a vida de todo ser humano. Para mim, a Consultare é a materialização de um projeto que traz um bem para todos.  Isso só foi possível graças ao empreendedorismo. Existem inúmeros desafios ao começarmos um novo negócio, mas a satisfação de vê-lo se tornar realidade e de acompanhar a maneira pela qual ele melhora a vida das pessoas nos traz a certeza de que tudo valeu a pena. Meu propósito e o da medicina é salvar vidas, e a Consultare amplifica e democratiza isso”, comenta a Dra. Carla 

Além dos serviços focados na saúde, a rede ainda possui uma fintech, o Resolve Bank, banco digital focado em serviços de saúde. Com um faturamento médio de R$250 mil ao mês, o investimento inicial para a franquia da Consultare é a partir de R$350 mil e a previsão média para retorno é de 24 meses.

Responder para: Milka Verissimo milka@passoavanti.com.br

Enviando, aguarde

Sua resposta foi enviada com sucesso!

Erro ao enviar resposta, tente novamente

Enviado Por: Passo Avanti    Bloquear Agência/Empresa
Minhas Editorias: Cidades Alterar Minhas Editorias

A Passo Avanti foi notificada que este conteúdo não possui relação com nenhuma das editorias informadas.
Ao denunciar 2 vezes no mês a Passo Avanti será bloqueada para você não receber mais conteúdos.

Você fez 2 denúncias neste mês, portanto, a Passo Avanti foi bloqueada definitivamente.
Você bloqueou a agência Passo Avanti para não receber mais conteúdos. Você bloqueou o cliente Clube de Permuta da agência Passo Avanti para não receber mais conteúdos.

Bloqueio realizado com sucesso.