Atualizado - Orquestra Sinfônica Municipal, maestro Minczuk e muralista Kobra sobem ao palco do Theatro Municipal para concerto Villa Total

Data: 04/03/2022 - 09:38  Para: Jornal Dia Dia - Portal de Notícias
Por: Gontof Comunicação    Bloquear Agência/Empresa
Remetente: Airton Gontow airtongontow@gontow.com.br Telefone: (11) 4508-4554 Celular: (11) 99109-0688
Minhas Editorias: Cidades Alterar Minhas Editorias
Editorias deste Release: Cultura, Educação, Saúde, Cidades

A Gontof Comunicação foi notificada que este conteúdo não possui relação com nenhuma das editorias informadas.
Ao denunciar 2 vezes no mês a Gontof Comunicação será bloqueada para você não receber mais conteúdos.

Você fez 2 denúncias neste mês, portanto, a Gontof Comunicação foi bloqueada definitivamente.
Você bloqueou a agência Gontof Comunicação para não receber mais conteúdos. Você bloqueou o cliente Eduardo Kobra da agência Gontof Comunicação para não receber mais conteúdos.

Atualizado:
Para mais informações e/ou marcar cobertura no sábado (e/ou no ensaio de hoje, sexta-feira), chamar pelo WhatsApp no número 11-991090688 ou passar e-mail para redacao@gontof.com.br
Abraço.

Link com fotos do encontro de Eduardo Kobra e Roberto Minczuk, no ateliê do muralista - https://we.tl/t-CS2JFmo5TW (colocar crédito do fotógrafo no arquivo de cada foto. As fotos de drone.cyrillo, com exceção da foto da orquestra, que é para Rafael Salvador)

Orquestra Sinfônica Municipal, maestro Roberto Minczuk e muralista Eduardo Kobra sobem ao palco do Theatro Municipal para concerto "Villa Total"

 No sábado, dia 5 de março, aniversário de Heitor Villa-Lobos e Dia Nacional da Música, acontecem no Theatro Municipal duas apresentações. Enquanto a Orquestra tocar, sob a regência de Roberto Minczuk, o muralista Eduardo Kobra finalizará três murais colocados nas laterais e fundo do palco. Ao final, como referência à guerra que ocorre na Ucrânia e ao desejo da paz, será tocado o Gran Finale da Nona Sinfonia de Beethoven. Simultaneamente, Kobra fará uma pintura sobre o tema. 

     A Orquestra Sinfônica Municipal, sob a regência do maestro Roberto Minczuk, apresentará no Theatro Muncipal, em São Paulo, o concerto Villa Total, com a Integral das Bachianas Brasileiras. Os concertos acontecem às 16h e às 19h30 do sábado, 5 de março, aniversário de Heitor Villa-Lobos (1887-1959) e Dia Nacional da Música. (As apresentações também celebram o centenário da Semana da Arte Moderna.) Durante o concerto, tanto à tarde quanto à noite, o conhecido muralista brasileiro Eduardo Kobra fará intervenções em três murais colocados nas laterais e fundo do palco (leia mais, abaixo, em “Sobre os painéis que serão finalizados no palco”).

     Nas duas apresentações, ao final das Bachianas Brasileiras, de Villa-Lobos, a orquestra tocará o Gran Finale da “Nona Sinfonia” de Beethoven (1770 a 1827) que, de acordo com o maestro, é “o maior símbolo musical da paz mundial”. Simultaneamente, Kobra fará uma pintura alusiva à paz. 

     Ontem, quinta-feira, 3 de março, Minczuk e integrantes da Orquestra Sinfônica Municipal foram à tarde ao ateliê de Kobra, na Vila Madalena, em São Paulo, para conversar sobre o concerto e inspirar o muralista. Além do maestro, estiveram no ateliê a soprano Raquel Paulin, que canta as Bachianas n 5 (Centinela), o fagotista Mathew Taylor e o flautista Renan Dias Mendes, para tocar para Kobra as Bachianas n6. 

      Hoje, sexta-feira, dia 4 de março, às 18h, Kobra assiste ao ensaio geral dos 91 integrantes da orquestra, no Theatro Municipal.

      Kobra destaca que é uma honra participar de um evento no palco da Semana da Arte Moderna de 22 e no ano do seu centenário. “Sempre busco inspiração em outras formas de arte, como a arquitetura, a poesia, o teatro, o cinema e a música. Até há pouco tempo eu não tinha muito interesse por música erudita, mas comecei a pesquisar mais quando pintei um mural sobre Arthur Rubinstein, em Lodz, na Polônia. Agora, ao receber o convite do maestro Minczuk tive a oportunidade de mergulhar na história do Villa-Lobos e aprender mais sobre ele e sua obra”, diz o muralista, que acrescenta: “o maestro teve uma atitude de vanguarda, no espírito da Semana de 22, ao convidar um artista de rua para um evento tão importante”.

     Roberto Minczuk também conta sobre sua motivação ao convidar Kobra para o concerto. “A intenção foi dar continuidade aquilo que o Villa-Lobos sempre fez. Trazer a arte da rua para o palco! Ele trouxe o samba, o choro, a música indígena e inseriu tudo no universo das suas composições.  No centenário da Semana da Arte Moderna, no dia do aniversário desse grande compositor brasileiro, buscamos trazer um dos maiores nomes da arte urbana do País e do mundo para o palco do Theatro Municipal, justamente onde esse movimento modernista se iniciou, há 100 anos”, diz.

 

Sobre os painéis que serão finalizados no palco

     Segundo Eduardo Kobra, os painéis laterais trazem dois grandes nomes da música:  Villa-Lobos e o alemão Johann Sebastian Bach (1685-1750), compositor predileto de Villa-Lobos, do qual incorporou muitos elementos, assim como muitos ritmos brasileiros, suas composições.  

     Nos murais situados nas laterais do palco do Theatro Municipal, as linhas de uma partitura musical se misturam e confundem com os cabelos dos compositores. “Acredito que conseguimos criar um efeito instigante, onde aparece que Bach, considerado um gênio do barroco musical, tinha uma partitura mais rebuscada e, digamos assim, organizada. Já Villa-Lobos, um dos principais nomes da Semana de Arte Moderna de 22, ganhou uma representação de partitura mais caótica”, afirma o muralista paulistano.
            No painel instalado atrás do palco, haverá uma releitura do Cristo Redentor, como maestro da orquestra. Ao fundo, as icônicas calçadas paulistanas. “O Cristo Redentor é um cartão postal do Rio de Janeiro, mas do Brasil também. E a Semana de Arte Moderna aconteceu há 100 anos, em São Paulo, no Theatro Municipal, com a participação importantíssima de Villa-Lobos, que é carioca”, explica o muralista.

 

Veja o programa

       

Dia 5 de março em dois horários

 

16h

Ingressos R$20,00 a R$80,00

Link para a compra de ingressos: https://theatromunicipalsp.byinti.com/#/event/orquestra-sinfonica-municipal-apresenta-villa-total-parte-ii-85635


Classificação livre
Duração Total 75 minutos  

Theatro Municipal – Sala de Espetáculos

1523 lugares 

Endereço: Praça Ramos de Azevedo, s/n, República, São Paulo, SP - tel: 113225820



Villa Total: Parte I
Concerto presencial, aberto ao público

Orquestra Sinfônica Municipal
Roberto Minczuk, regência
Raquel Paulin, soprano

Kobra, participação especial

Programa

HEITOR VILLA-LOBOS

Bachianas Brasileiras nº 1 (20′)
I.  Introdução: Embolada
II. Prelúdio: Modinha
III. Fuga: Conversa

Bachianas Brasileiras nº 5 (10′)
I. Ária: Cantilena
II. Dança: Martelo

(Intervalo)

Bachianas Brasileiras nº 2, “O trenzinho do Caipira” * (21′)
I. Prelúdio: O canto do Capadócio
II. Ária: O Canto da Nossa Terra
III. Dança: Lembrança do Sertão
IV. Toccata: O Trenzinho do Caipira

Bachianas Brasileiras nº 8* (27’)
I. Prelúdio
II. Ária: Modinha
III. Tocata: Catira batida
IV. Fuga

* Editor: Editions Durand-Salabert-Eschig (Universal Music Publishing Group) Paris representada por Melos Ediciones Musicales S.A., Buenos Aires

Pensando, sempre, na proteção do público, colaboradores e artistas, tendo em vista os cuidados quanto à transmissão da Covid-19, para assistir a este espetáculo é necessário seguir os protocolos de segurança estipulados no Manual do Espectador (acesse aqui), que incluem a apresentação do comprovante de vacinação.

Programa sujeito à alteração. 

 

 

19h30

Ingressos R$20,00 a R$80,00

Link para a compra de ingressos: https://theatromunicipalsp.byinti.com/#/event/orquestra-sinfonica-municipal-apresenta-villa-total-parte-ii-85635


Classificação livre
Duração Total 94 minutos

Theatro Municipal – Sala de Espetáculos

 

1523 lugares

Endereço: Praça Ramos de Azevedo, s/n, República, São Paulo, SP - tel: 113225820



Villa Total: Parte II
Concerto presencial, aberto ao público

Orquestra Sinfônica Municipal
Coral Paulistano
Roberto Minczuk, regência
Sylvia Thereza, piano
Matthew Taylor, fagote
Renan Mendes, flauta

Kobra, participação especial

Programa

HEITOR VILLA-LOBOS (1887-1959)
Bachianas Brasileiras nº 9 (10′)
I. Prelúdio: Vagaroso e Místico
II. Fuga: Poco Apressado

Bachianas Brasileiras nº 3 (27′)
I. Prelúdio: Ponteio
II. Fantasia: Devaneio
III. Ária: Modinha
IV. Tocata: Picapau

(Intervalo)

Bachianas Brasileiras nº 6 (9’)

Bachianas brasileiras nº 4* (22’)
I. Prélude: Introdução
II. Choral: Canto do Sertão
III. Ária: Cantiga
IV. Danse: Miudinho

*Edição Academia Brasileira de Música

Bachianas Brasileiras nº 7* (26′)
I. Prelúdio: Ponteio
II. Giga: Quadrilha Caipira
III. Tocata: Desafio
IV. Fuga: Conversa

* Editor: Editions Durand-Salabert-Eschig (Universal Music Publishing Group) Paris representada por Melos Ediciones Musicales S.A., Buenos Aires

Pensando, sempre, na proteção do público, colaboradores e artistas, tendo em vista os cuidados quanto à transmissão da Covid-19, para assistir a este espetáculo é necessário seguir os protocolos de segurança estipulados no Manual do Espectador (acesse aqui), que incluem a apresentação do comprovante de vacinação.

Programa sujeito à alteração

 

Sobre a Orquestra Sinfônica Municipal

Até o começo do século 20, as companhias líricas internacionais que se apresentavam no Theatro Municipal traziam da Europa seus instrumentistas e coros completos.

Na década de 1920, uma orquestra profissional foi criada para se apresentar esporadicamente, entrando para a agenda regular de espetáculos somente em 1939 com o nome de Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal. Uma década mais tarde, é oficializado e regulamentado o conjunto que chamamos até hoje de Orquestra Sinfônica Municipal.

Sua história se confunde com a da música orquestral da cidade, com participações memoráveis em eventos como a primeira Temporada Lírica Autônoma de São Paulo – com a soprano Bidu Sayão, a inauguração do Estádio do Pacaembu em 1940, a reabertura de Theatro Municipal em 1955, a estreia da ópera ‘Pedro Malazarte’ regida pelo próprio compositor – Camargo Guarnieri, e a apresentação nos Jogos Pan-Americanos de 1963, realizados em São Paulo.

Ao longo dos anos, estiveram à frente da orquestra os maestros Arturo de Angelis, Zacharias Autuori, Edoardo Guarnieri, Lion Kaniefsky, Souza Lima, Eleazar de Carvalho, Isaac Karabtchevsky, José Maria Florêncio, Ira Levin, Armando Belardi e John Neschling. Atualmente, a OSM é conduzida por Roberto Minczuk.

 

Sobre o maestro Roberto Minczuk

Roberto Minczuk nasceu em São Paulo, e começou a estudar música com o pai aos seis anos de idade. Aos nove, ingressou como trompista na Escola Municipal de Música de São Paulo e, com 10 anos, fez sua estreia como solista no Theatro Municipal de São Paulo. Aos 13 anos, em 1981, foi contratado por Isaac Karabtchevsky em um concurso público para ser 1ª trompa do Theatro Municipal de São Paulo.

Mudou-se para Nova York aos 14 anos com bolsa de estudos, e se formou na Juilliard School of Music. Aos 17 anos, como solista, fez sua estreia no Carnegie Hall. Aos 20, tornou-se membro da Orquestra Gewandhaus de Leipzig, na Alemanha.

Como maestro, fez sua estreia internacional à frente da Filarmônica de Nova York, em 1998, onde foi maestro associado, sendo o primeiro a ocupar este cargo após Leonard Bernstein.

Regeu mais de 100 orquestras internacionais. Foi diretor artístico do Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão, diretor artístico adjunto da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp), diretor artístico do Theatro Municipal do Rio de Janeiro e maestro titular da Orquestra Sinfônica de Ribeirão Preto, sendo o primeiro artista a receber o Prêmio ConcertArte de Ribeirão Preto. Venceu o Grammy Latino e foi indicado ao Grammy Americano com álbum ‘Jobim Sinfônico’.

            Atualmente, além de maestro titular da Orquestra Sinfônica Municipal, é maestro titular da Filarmônica de New Mexico, nos Estados Unidos, maestro emérito da Orquestra Sinfônica Brasileira (da qual foi regente titular de 2005 a 2015) e maestro emérito da Filarmônica de Calgary, no Canadá.

 

 Sobre Eduardo Kobra

     Kobra, 46 anos, é um expoente da neo-vanguarda paulistana. Começou como pichador, tornou-se grafiteiro e hoje se define como muralista. Seu talento brota por volta de 1987, no bairro do Campo Limpo com o pixo e o graffiti, caros ao movimento Hip Hop, e se espalha pela cidade e pelo mundo. Com os desdobramentos que a arte urbana ganhou em São Paulo, ele derivou - com o Studio Kobra, criado em 95 - para um muralismo original - inspirado em muitos artistas, especialmente os pintores mexicanos e norte-americanos, beneficiando-se das características de artista experimentador, bom desenhista e hábil pintor realista. Suas criações são ricas em detalhes, que mesclam realidade e um certo "transformismo" grafiteiro.

     Muitos críticos afirmam que a característica mais marcante de Kobra é o domínio do desenho e das cores. Mas o que é fundamental para o artista é o olhar. Kobra foi desde cedo apresentado às adversidades da vida. Viu amigos sucumbirem às drogas e à criminalidade. Alguns foram presos. Outros perderam a vida. Foi o olhar que o salvou.

      Kobra é autor de projetos como "Muro das Memórias", em que busca transformar a paisagem urbana através da arte e resgatar a memória da cidade; Greenpincel, onde mostra (ou denuncia) imagens fortes de matança de animais e destruição da natureza; e “Olhares da Paz”, onde pinta figuras icônicas que se destacaram na temática da paz e na produção artística, como Nelson Mandela, Anne Frank, Madre Teresa de Calcutá, Dalai Lama, Mahatma Gandhi, Martin Luther King, John Lennon, Malala Yousafzai, Maya Plisetskaya, Salvador Dali e Frida Kahlo.  Em meio ao caos urbano, buscou resgatar o patrimônio histórico que se perdeu. Em um contexto repleto de desigualdade social e injustiças, buscou se inspirar em personagens e cenas que servem de exemplo para um mundo melhor. 

     Hoje, os murais de Kobra estão em cerca de 35 países e em diversas cidades e estados brasileiros – como “Etnias – Todos Somos Um”, no Rio de Janeiro, “Oscar Niemeyer”, em São Paulo; “The Times They Are A-Changin” (sobre Bob Dylan), em Minneapolis; “Let me be Myself” (sobre Anne Frank), em Amsterdã; “A Bailarina” (Maya Plisetskaia), em Moscou; “Fight For Street Art” Basquiat e Andy Warhol), em Nova York; e “David”, nas montanhas de Carrara. Em todos os trabalhos, o artista busca democratizar a arte e transformar as ruas, avenidas, estradas e até montanhas em galerias a céu aberto.  Inquieto, estudioso e autodidata, também faz pesquisas com materiais reciclados e novas tecnologias, como a pintura em 3D sobre pavimentos. Em 2018, pintou 20 murais nos Estados Unidos, 18 deles em Nova York.

     Cada vez mais conhecido, Kobra fica, é claro, orgulhoso quando vê uma multidão que observa um de seus murais, mas costuma dizer que o que o comove de verdade é descobrir alguém que para no meio da correria da cidade para observar, mesmo que por um minuto, os detalhes dessa obra. Apesar dos murais monumentais, Eduardo Kobra faz sua arte para despertar a consciência e a sensibilidade de cada um de nós.

 

 

Responder para: Airton Gontow airtongontow@gontow.com.br

Enviando, aguarde

Sua resposta foi enviada com sucesso!

Erro ao enviar resposta, tente novamente

Enviado Por: Gontof Comunicação    Bloquear Agência/Empresa
Minhas Editorias: Cidades Alterar Minhas Editorias
Editorias deste Release: Cultura, Educação, Saúde, Cidades

A Gontof Comunicação foi notificada que este conteúdo não possui relação com nenhuma das editorias informadas.
Ao denunciar 2 vezes no mês a Gontof Comunicação será bloqueada para você não receber mais conteúdos.

Você fez 2 denúncias neste mês, portanto, a Gontof Comunicação foi bloqueada definitivamente.
Você bloqueou a agência Gontof Comunicação para não receber mais conteúdos. Você bloqueou o cliente Eduardo Kobra da agência Gontof Comunicação para não receber mais conteúdos.

Bloqueio realizado com sucesso.